O que leva um jovem adulto vivendo os seus 21 anos de idade a lançar um livro voltado para o público infanto-juvenil no meio de uma pandemia? Ele mesmo responde: “essa vontade veio da importância de representar corpos que são diariamente relegados à margem da sociedade. A temática eu escolhi por acreditar que as crianças são como sementes e que o futuro precisa ser refloresta (salve, Gil)!” Esse jovem adulto chama-se Vitto Poeta, um grande artista contemporâneo do País de Mossoró, e ele acaba de lançar seu primeiro livro profissional: “Rimas de Ayo – Versos Para Salvar o Mundo”.

#paracegover: Vitto Poeta está assinando seu livro “Rimas para Ayo – Versos para Salvar o Mundo” . Ele tem cabelo grande, está com o uso de máscara, roupa branco e colar. Há outros livros em cima da mesa. De fundo, plantas. FOTOGRAFIA: João Azevedo.

Sagitariano nascido e criado em solo mossoroense, descrever quem é Vitto não é nada fácil, uma vez que nem ele sabe bem responder isso, mas sabe que é “um homem negro, potiguar, artista por vocação e sonhador desde criança”. Ler, escutar podcasts e ouvir pessoas mais velhas são alguns dos principais prazeres dele. Entre os desprazeres, “o atual presidente do Brasil, definitivamente”

A escrita apareceu para Vitto desde muito cedo, quando ele ainda era criança, estimulado pela necessidade de se expressar. Foi a partir de 2018 que a sua arte começou a tomar um rumo mais sério, profissional, e ele compreendeu que era preciso acompanhá-la. 

A sua primeira publicação literária nasceu no ano de 2019. Tratava-se do zine-book (fanzine) “Cada”, publicado durante a 15ª Feira do Livro de Mossoró. “Rimas de Ayo – Versos Para Salvar o Mundo” é o primeiro livro profissional do Poeta, com direito a Editora, produção e tudo mais.

“Tenho a pretensão de fazer poesias que mexam com os sentimentos das pessoas e provoquem o desejo de transformar a realidade opressiva da qual estamos sujeitos”.
Vitto Poeta, escritor e performer.

O que hoje vemos como uma obra completa e repleta de muita arte é resultado de um processo de quase um ano de criação e concretude física do livro. Segundo Vitto, o primeiro passo para essa realização foi a captação de recursos, o que teve de ser feito através de outros caminhos, já que “o lugar em que eu nasci e vivo não valoriza e nem trata a arte como prioridade”. Com pouco incentivo financeiro, outras etapas pelas quais a obra literária passa também acaba ficando deficiente, como, por exemplo, a equipe de produção. Com isso, as demandas acabam ficando concentradas nas mãos de poucas pessoas, e o trabalho, multiplicado. 

Talvez o que tenha feito com que Vitto não desistisse desse processo foi o legado e o poder que Rimas de Ayo poderia deixar no mundo. Com poucas páginas, a obra fala sobre inclusão, equidade de gênero, desigualdade, preconceitos, entre outras temáticas importantes. E tudo da forma mais simples possível. 

O livro trata-se de uma garota com deficiência física, chamada Ayo, que aprende na escola sobre desigualdade social e sobre como a poluição está prejudicando o planeta Terra. Ayo, então, começa a escrever, alimentando-se da esperança de salvar o mundo. Vitto pensou nesse enredo para convidar o leitor e leitora a reavaliar o modelo de cidade em que vivemos e que tipo de relações socioambientais queremos estabelecer daqui para frente. 

Aceita o convite?

#paracegover: capa oficial do livro, em tons de azul, que conta com o título “Rimas de Ayo – Versos Para Salvar o Mundo” na parte superior, e logo abaixo, uma menina negra, cadeirante, lendo um livro.

Esse título é fruto da junção da sua grande paixão, as “Rimas” – seja no rap, no repente, no cordel ou na cantoria -, e a tradução da palavra “felicidade”, que em Iorubá significa justamente “Ayo”. O livro ainda tem uma música tema, que pode ser encontrada no spotify.

“Rimas de Ayo – Versos Para Salvar o Mundo” também está disponível numa versão em audiobook para que pessoas com deficiência visual possam ter acesso ao livro. A Editora da obra literária é a Queima Bucha, a produção executiva é da Produtora Casamarela e o design gráfico foi feito pelo também artista e irmão de Vitto, Jongozú. 

O lançamento aconteceu no dia 21 de novembro, mês da Consciência Negra, “em memória de Zumbi, do Quilombo dos Palmares e de todas as pessoas que resistem a esse cotidiano tão conflituoso, inclusive as crianças”. Foi um domingo, 8h da matina, durante um café da manhã, para fazer nascer, juntamente a mais um dia, um novo livro ao mundo. O evento aconteceu para poucas pessoas e o Reticências Culturais esteve presente registrando essa maravilha para vocês. 

Quem quiser garantir um exemplar do livro, já pode encontrá-lo no disponível no site do Mercado Livre (link) ou entrando em contato com a Produtora Casamarela, através do perfil do instagram (@produtoracasamarela) ou do próprio autor (@vittopoeta). 

#paracegover: na foto, duas mãos, uma segurando o livro “Rimas para Ayo – Versos para Salvar o Mundo” aberto na segunda capa, e a outra segurando uma caneta para autografá-lo. FOTOGRAFIA: João Azevedo.

“Ayo nasceu! E com ela, o sonho de recontar a história de um jeito diferente, mais plural. Esse é um chamado necessário para discutirmos a inclusão em diversos âmbitos: étnico-racial, social, de gênero, para as pessoas com deficiência…
A todes que estiveram presentes ontem no lançamento presencial deste novo projeto, meu muito obrigado! Vocês fazem parte desta semeadura.
A literatura tem uma relação histórica com o acesso à cultura e educação, devendo ser incentivada para conseguirmos alcançar o objetivo de construir uma sociedade livre das desigualdades”.
Vitto Poeta, autor de “Rimas para Ayo – Versos para Salvar o Mundo”.

E se você quer entender melhor como foi o lançamento, confira a vídeo-reportagem abaixo:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram