Camões, com toda sua beleza poética e literária, perfurou o tempo e veio pousar em terras mossoroenses. Especificamente, nas letras de Kelly Lira, cantora e artista plástica da cidade. De palavra por palavra, de ideia por ideia, a artista construiu uma canção que, agora, vira videoclipe. 

Composição de Kelly, direção de Plínio Sá e produção de Marcelo Amarelo, o videoclipe de “Desde Camões” nasceu para o mundo e já pode ser conferido no canal de youtube da cantora.

A canção foi escrita no ano de 2010, e fala sobre o amor, no seu mais amplo sentido e nas suas tantas possibilidades. É um amor avassalador, que se entrega e se deixa sentir. A música reforça a experiência de vivenciar esse sentimento e as suas nuances, ao mesmo tempo em que resgata um verso de um dos poemas do escritor português Luís de Camões.

O poeta diz que “amor é fogo que arde sem se ver; é ferida que dói e não se sente; é um contentamento descontente; é dor que desatina sem doer”. A partir disso, Kelly Lira, carinhosamente, cita o primeiro trecho do soneto, ressignificando-o, e o resultado ficou assim: “o amor é fogo que arde sem se ver; desde Camões, é bom, vicia, faz sofrer”. Bom que só esse refrão, né?

O ritmo da música caminha por traços de balada romântica, tendo influências do reggae. Na época em que a cantora escreveu, ela explica que vivia uma imersão em processos criativos. Muitos. Ao mesmo tempo. Por isso, essa trança de características poéticas. 

“Nesse período, se eu sentisse um estímulo, algo me chamasse atenção ou simplesmente uma palavra viesse à tona, já era o mote para fazer uma canção”, explica Kelly Lira. E foi buscando se encontrar nessas possibilidades, que Desde Camões nasceu, traduzindo sentimentos e anseios que a artista vivenciava naquele momento.

A música foi elaborada por um verdadeiro time de profissionais: o guitarrista e cantor Anderson Lima, da banda Frequência 2, foi o responsável por harmonizá-la; o seu companheiro de banda, Gustavo Almeida, fez os efeitos e as percussões; o contrabaixo ficou por conta de Djow Lins; e a produção musical foi de Adeirton Pinheiro e Kelly. 

Com a canção finalizada, a artista mossoroense se reuniu com o ator e cineasta Plínio Sá, para pensar o videoclipe, que acabou assinando a direção, o roteiro (ao lado do artista plástico Marcelo Amarelo) e a direção de fotografia. O videoclipe ainda contou com colaboração minha, Luiza, e de Priscilla Oliveira.

“Foi um processo muito interessante idealizar e pensar a música visualmente”.
Kelly Lira, cantora e compositora.

Na produção audiovisual de “Desde Camões”, Kelly declama os versos da canção em preto e branco. Durante todo o filme, a cantora caminha pela cidade, alternando entre natureza e centro urbano, demonstrando que o amor está, sim, em todo lugar, seja nas pegadas, nas estradas, nos abraços ou até mesmo nas ruínas. 

No meio de todo aquele cenário preto e branco, o batom e os brincos da artista se sobressaem, revelando uma única cor: o vermelho. Assim, o que seria apenas um detalhe, passa a ser a grande simbologia da obra: a objetificação do amor representado ali pela cor, tornando-se simbologia. Vermelho que é fogo; vermelho que é paixão; vermelho que é amor.

Além do batom e dos brincos, um lenço também rubro acompanha a cantora por onde ela vai. Embora o eu-lírico resista, é o amor ali, ao lado, falando mais alto.

“Amei demais o resultado final. É a primeira vez fazendo um videoclipe, então é algo completamente diferente e novo para mim. Plínio fez um trabalho primoroso, de muito bom gosto e pura sensibilidade artística”.
Kelly Lira, cantora e compositora.

A cantora espera que as pessoas possam se identificar com a música, com a composição e com o videoclipe. Além disso, que o público, ao assistir, permita-se sentir tudo o que a obra lhe causar. Sentir muito, desde “a sutileza, a simplicidade e a beleza da vida”, como indica a cantora.

Aproveitem, curtam, compartilhem, comentem e divulguem o trabalho dos e das artistas mossoroenses!

VIDEOCLIPE “DESDE CAMÕES” – KELLY LIRA

SOBRE A CANTORA

Janekelly da Silva Lira, mais conhecida como Kelly Lira, é cantora e artista plástica mossoroense. A libriana nasceu no município de Pau dos Ferros/RN e só depois veio à Capital do Oeste potiguar. 

O seu envolvimento com a arte começou cedo, quando ainda era criança. Ela tinha o hábito de ouvir seus irmãos e alguns outros parentes tocarem violão e ficava ali, encantada. Além disso, a igreja também foi um grande polo de aprendizado musical. E foi assim que a, hoje, cantora começou a se interessar por essa linguagem artística.

Já a arte visual surgiu a partir da observação dos seus irmãos, que também tinham o costume de trabalhar com pinturas. Ela cresceu nesse universo e, também admirando-os, se interessou por essa arte.

Apesar das batalhas (que são muitas), a trajetória da cantora é de muitas conquistas, como quando ganhou o prêmio de melhor intérprete no Festival da canção e da Cultura Potiguar, em meados de 2008; integrou a dupla de backing vocals da cantora Thabata; participou do espetáculo “Brasileiras na Era do Rádio”, ao lado da cantora e produtora cultural Katharina Gurgel, e das cantoras Alzinete Di Oliveira e Dayanne Nunes; foi campeã do concurso A Mais Bela Voz 201; participou do Festival MPBeco, com a canção autoral Porta-Retrato; em setembro de 2019, teve a oportunidade de participar de um festival de cultura brasileira em Viena, na Áustria; entre outras experiências.

No entanto, esse é o primeiro videoclipe da carreira musical da cantora. Mais uma grande e bela conquista.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram